AR DO RIO


O INEA e a Prefeitura do Rio de Janeiro (SMAC) irão se equipar com o sistema completo de modelagem da qualidade do ar, semelhante aos utilizados na França pela INERIS (www.prevair.org) e pela AIRPARIF, para a cidade de Paris (www.airparif.asso.fr). Operando a transferência completa da tecnologia centrada ao redor do modelo de dispersão europeu, CHIMERE.

O inventário de emissões será profundamente revisado: Este refletirá a evolução das emissões das grandes fontes industriais e do tráfego de automóveis, levando em consideração os novos poluentes e, acima de tudo, abrangerá doravante a totalidade do estado do Rio de Janeiro. O grau de refinamento do inventário dependerá das informações disponíveis e constituem a parte principal do processo permanente de atualização das emissões, que será efetuado pelas autoridades responsáveis do meio ambiente.

O material já se encontra no local. O computador principal e um servidor multiprocessador foram instalados no INEA. Este que, todos os dias, irão rodar os modelos meteorológicos WRF (em escala continental) e SWIFT (em escalas mais fina), e combinará os resultados obtidos (característica do vento, temperatura, espessura da camada de mistura, etc.) com o inventário de emissões dos poluentes e finalmente, lançará os modelos CHIMERE e FARM para calcular o transporte destes poluentes na atmosfera, suas transformações químicas, sua dispersão e sua concentração ao solo em toda a área.

Os mapas e os dados obtidos serão acessíveis aos especialistas e ampliará, a cada dia, uma enorme base de dados, que permitirá o monitoramento da qualidade do ar ao longo dos anos e a compreensão perspicaz das causas da poluição do ar. Dentro do mesmo processo diário, o sistema produzirá mapas simplificados e um índice da qualidade do ar, que serão difundidos na mídia local e acessíveis ao público, em uma página da internet dedicada a esta função.

Uma pequena equipe de especialista, do INEA e da SMAC, que prestará apoio ao sistema e que será formada, ao longo do projeto, em manutenção e atualização dos inventários de emissão, à utilização dos modelos meteorológicos e de dispersão, portanto, ao estudo de novos cenários de redução da poluição.

O Projeto Ar do Rio, que terá duração de 15 (quinze) meses e finalizará em meados de 2012 é uma colaboração técnica entre o INEA, a SMAC, ARIA Technologies SA e sua filial ARIA do Brasil Ltda. O financiamento crucial do projeto é providenciado pelo estado e pela cidade do Rio de Janeiro com a contribuição do setor privado (o grupo GERDAU e a empresa UTE Norte Fluminense) e o apoio constante da ADEME (Agência Francesa do Meio Ambiente e Gestão de Energia).



voltar para o topo